Sinal de rádio emitido a partir do centro da galáxia é identificado por pesquisadores

Ele foi emitido por seis vezes no período de janeiro e setembro de 2020, ano da pandemia de covid-19.

0 153

Não estamos sós no universo! Não mesmo. Prova disso, foi o que os pesquisadores norte-americanos identificaram com a emissão regular e altamente polarizada de um sinal de rádio a partir do centro da galáxia.

Leia também: Você sabia? Dar sete mil passos por dia reduz o risco de morte em 70%, diz estudo

Ela foi vista por seis vezes entre janeiro e setembro de 2020, ano da pandemia mundial da Covid-19, que assola o mundo até os dias de hoje. O estudo foi publicado recentemente na revista The Astrophysical Journal.

Transmissão foi de 888MHz

A transmissão do sinal foi de 888 MHz com um grau de polarização é de 25%, considerada alta. A detecção foi realizada a partir do telescópio Pathfinder, localizado no Observatório de Radioastronomia de Murchison, no oeste da Austrália.

O estudo foi continuado entre novembro de 2020 e fevereiro de 2021, com o telescópio MeerKAT, localizado na África do Sul, com um intervalo de 4 a 6 semanas. Entretanto, não foi mais identificado o sinal.

A fonte de detecção na galáxia chegou a um pico de densidade de fluxo de 5,6 mJy (equivalente a aproximadamente 50 MHz) no período.

Ela ainda estava altamente polarizada circularmente e com 80% de polarização linear. Mas desapareceu rapidamente dentro de um dia. Os pesquisadores explicam que estudaram diversas possibilidades.

“Nós discutimos possíveis identificações incluindo uma estrela de baixa massa ou objeto subestelar com luminosidade infravermelha extremamente baixa, um pulsar com pulsos dispersos ampliados, um magnético transiente ou um transitório de rádio do Centro Galáctico”, disseram.

Sem explicações para sinal de rádio

Segundo os especialistas, o estudo não identificou o que pode representar esses sinais. “Nenhum desses explica totalmente as observações, o que sugere que pode representar parte de uma nova classe de objetos sendo descobertos por meio de levantamentos de rádio de imagem”, concluem.

você pode gostar também
Deixe um comentário