Tentando entender a mente de uma pessoa com Alzheimer

0 227

Um interessante estudo buscou compreender como a mente de um doente de Alzheimer funciona em relação ao reconhecimento de rostos, e os resultados são promissores.

O Mal de Alzheimer é uma das piores doenças, tanto para as pessoas que são afetadas, mas também para aqueles que os rodeiam. Ter uma mãe ou uma avó que de repente começa a não reconhecer as pessoas que ficam ao seu redor, todos os dias, para a vida, é uma situação cansativa, principalmente porque, fisicamente, essas pessoas muitas vezes estão bem e ainda tem muito a viver. Mas terão uma vida em que, vários momentos podem ser confusos para eles, e não estarão cientes do que está acontecendo ao seu redor.

Alzheimer - o principal sintoma é esquecer.
Alzheimer – o principal sintoma é esquecer.

Uma das características desta doença é o fato de que as pessoas não reconhecem os rostos dos outros, as vezes mesmo seus filhos ou pessoas próximas são esquecidos por eles. Alguns pesquisadores franceses têm procurado entender esse fenômeno, a fim de tentar entender qual parte do cérebro, precisamente, é afetado pela doença. Os resultados foram interessantes e ajudam a compreender a maior parte da ação do Alzheimer.

Foram estudados dois grupos de pessoas, e o experimento foi realizado da seguinte forma:

Um grupo pessoas que vivem com a doença de Alzheimer e um grupo de pessoas saudáveis, então foram mostradas fotos de rostos “normais” e depois outras fotos, essas eram rostos de cabeça para baixo, depois de carros na posição correta, e carros vidados para baixo. Os resultados foram que os dois grupos deram as mesmas respostas para as imagens do carro normal, para o carro virado para baixo, para os rostos de cabeça para baixo. Enquanto que as respostas para as faces “normal” diferiram entre os dois grupos testados.

A ideia que os pesquisadores tiveram é que quando se tem a Síndrome de Alzheimer, o reconhecimento de face fica danificado, ou a capacidade de avaliar tudo com a facilidade que eles tinham antes, evitando assim o reconhecimento. Em suma, os pacientes podem reconhecer um nariz grande, olhos azuis, uma boca carnuda, os detalhes do rosto, mas são incapazes de dizer se “aquele é o João”.

O Alzheimer
O Alzheimer

Que é o que nos acontece ao ver um rosto que esteja cabeça para baixo, perdemos a capacidade de dizer quem é, precisamos analisar mesmo que por um tempo para identificarmos a pessoa, mas somos capazes de avaliar as peças individuais. Para os carros de cabeça para baixo é a mesma coisa, podemos dizer que é “carro vermelho” ou “um SUV verde”, nós avaliamos individualmente parte por parte do carro para poder fazer um reconhecimento (a não ser quando é um carro muito distinto dos outros como uma Ferrari), e as pessoas com Alzheimer fazem o mesmo.

Este estudo é muito importante ser capaz de entender como funcionam as cabeças das pessoas com a doença, porque no futuro podemos identificar, por meio de técnicas de ressonância, qual área do cérebro perde sua funcionalidade e seremos capazes de agir de forma orientada para tentar as recuperar, pelo menos em parte.

O estudo, portanto, foi realizado a fim de tentar fazer com que os enfermos se lembrassem dos rostos das pessoas, frustrando assim um dos piores sintomas da doença. Nós ainda não conseguimos essa façanha, mas ao estreitar o campo de pesquisa, isso já é considerado um grande passo em frente às pesquisas.

você pode gostar também